O que cai nas provas dos concursos públicos?

banner_nova_468_60_arrumado

Olá, Guerreiros! Além de saber o salário dos certames que pretendemos, também é interessante conhecer como funcionam as Organizadoras. E que tal saber como é que as questões das nossas provas são elaboradas?

Divido um artigo sobre o assunto e espero que possa, de alguma maneira, sanar dúvidas.

Saiba como são elaboradas as provas em concursos

Todas as organizadoras enfatizam que buscam o ineditismo nas questões. Muitas vezes, nem mesmo os professores sabem para que órgãos estão fazendo a prova.

Fonte: g1.globo

Saber o que vai cair nas provas dos concursos públicos é o sonho de todos os candidatos. Mas os únicos indícios do que pode ser abordado nos exames estão no edital. O resto é cercado de sigilo. As organizadoras não revelam os profissionais que elaboram as questões. Muitas vezes, nem mesmo os professores sabem para que órgãos estão fazendo a prova.

E cada profissional fica responsável por uma parte da prova, sem saber quem são os demais professores que estão elaborando as questões das outras disciplinas e assuntos.

Na maior parte das vezes cada professor fica responsável por um assunto (Foto: Keiny Andrade/G1)

A única certeza sobre o conteúdo revelada pelas organizadoras é que todas elas buscam o ineditismo nas questões, ou seja, não podem ser usadas perguntas de provas anteriores.

Perfil da banca 
O número de professores envolvidos na elaboração das provas varia de concurso para concurso, segundo as organizadoras. Mas as instituições informam que há preocupação de envolver um grande número de profissionais para cobrir de forma abrangente os assuntos.

Muitos professores são funcionários das instituições. Mas quando os concursos abordam assuntos específicos é necessário buscar profissionais de fora. Os especialistas geralmente são professores universitários, muitos deles com títulos de mestrado e doutorado.

A seleção dos profissionais leva em conta idoneidade, competência pedagógica, domínio dos assuntos abordados nas provas e na metodologia para elaboração das questões, capacidade de manter sigilo e não ter parentesco com candidatos.

Elaboração das questões 
Na maior parte das vezes cada professor fica responsável por um assunto (ou disciplina). Nesse caso, não há troca de informações entre eles – os profissionais nem sabem quais são os outros colegas que estão participando da elaboração do mesmo exame nem têm acesso ao conteúdo completo da prova. As questões são discutidas sempre com a coordenação pedagógica das organizadoras.

Todas as organizadoras enfatizam que buscam o ineditismo nas questões e não recorrem a provas anteriores para elaborar questões.

Os órgãos geralmente determinam o conteúdo programático do concurso. Em outros casos, informam apenas o perfil do profissional que querem admitir e o nível de escolaridade exigido, deixando a critério das instituições a escolha dos assuntos.

Há ainda a possibilidade de a escolha ser discutida entre os órgãos contratantes e a coordenadoria das organizadoras.

Revisão 
Todas as questões passam por um revisor, de acordo com as organizadoras (Foto: Keiny Andrade/G1)

No caso da Consulplan, existe um primeiro revisor que recebe as provas e as formata nos moldes da empresa. Em seguida, existem professores de português que revisam todas as questões e há ainda a revisão final, com a prova já totalmente impressa. A Fundação Conesul diz que as provas são revisadas tanto por professores como pelos clientes.

No caso da Fundação Vunesp, a primeira versão da prova é encaminhada a um revisor, que não conhece o elaborador, nem as respostas esperadas, nem nível de dificuldade estimado, aspectos do programa selecionados para avaliação, entre outros pontos.

Ele resolve a prova como se fosse um candidato, dá a sua classificação para cada questão e aponta defeitos de conteúdo ou de forma que observou em toda a prova.

O material volta para coordenação, que o confronta com o do elaborador; a coordenação acrescenta suas orientações e solicita ao elaborador que efetue as modificações e dê a versão final.

O Imes diz que a revisão verifica a língua portuguesa, técnicas de formulação de questões e se o conteúdo está ajustado ao previsto no edital.

Sigilo 
As organizadoras têm a preocupação de manter o anonimato dos elaboradores das provas para que eles possam trabalhar com isenção. O sigilo e a discrição são itens presentes inclusive nos contratos de trabalho.

Além disso, a maioria das organizadoras informou que os professores que elaboram as provas não sabem para que órgão estão fazendo as questões. Os profissionais têm acesso apenas ao conteúdo programático e às atribuições do cargo, além do nível de escolaridade.

As instituições também requisitam um maior número de questões aos professores e depois a coordenação escolhe as que farão parte da prova. Além disso, os elaboradores passam as respostas certas, mas não sabem em quais alternativas elas serão colocadas.

E então, o que acharam? Em regra, pelo menos, é assim que as coisas funcionam.

Mas sabemos que na prática não, principalmente em relação as questões inéditas, porque se repetem diversas vezes. De qualquer maneira, não podemos menosprezar o trabalho bem organizado e, apesar de alguns escândalos de quando gabaritos vazam ou quando são vendidos, poderia ser pior diante da demanda dos Concursos Públicos, maior do que anos atrás.

Firmes nos estudos? Buscando a disciplina e o equilíbrio necessário para não retroceder? Fé em Deus e em você mesmo – sempre.

Abração forte de ursa,

Cátia Pipoca é concursanda por natureza 
e dá dicas para concurseiros guerreiros
em seu blog, o http://catia-pipoca.blogspot.com.br

 

 

Agora, é só se dedicar aos estudos! Compre apostilas para concurso direto com a Nova e acompanhe-nos no Facebook e Google Plus!


Comentários via Facebook

comments