Concurso Fundação Oswaldo Cruz: Presidente destaca urgência em edital!

Iago Almeida

icone calendario 15 maio 2023

Ao tomar posse recentemente, o presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Mario Moreira, disse ser necessário um novo edital do concurso Fiocruz para reposição de vacâncias. Veja detalhes!

Estude para o concurso dos seus sonhos com o Método que já ajudou na aprovação de mais de 70 mil alunosClique aqui  e saiba mais!

Concurso Fundação Oswaldo Cruz: terá edital ainda em 2023?

É uma dúvida dos concurseiros, mas é possível que um novo edital de concurso público esteja preparado para a Fiocruz.

Isso porque o presidente da Fundação, Mario Moreira, confirmou a necessidade de um novo concurso.

A informação foi revelada durante sua posse , na última sexta-feira, 12 de maio.

“A Fiocruz precisa urgentemente de um concurso público. Já apresenta a necessidade de uma reposição de cerca de 1.400 pessoas. Então é disso que se trata agora nossa agenda com o Ministério da Saúde e o Ministério da Gestão”, disse. 

“Enfrentamos o desafio que foi manter a Fiocruz em condições adversas, fruto do negacionismo científico e do descaso com a saúde. Mas superamos, com união e responsabilidade em uma Fiocruz unida e altiva. Por isso, hoje vivemos mais que uma posse de dirigente. Vivemos a celebração do projeto democrático desta instituição, que está sempre se renovando e que lhe deu condições de resistir em tempos de crise. A Fundação é uma instituição estratégica do Estado brasileiro e foi desafiada ao extremo na pandemia. Posso dizer que esta instituição politicamente amadureceu ainda mais, ocupou espaços que o governo anterior deixou vagos e assumiu responsabilidades. A Fiocruz foi exuberante”, avaliou Moreira.

Entretanto, essa necessidade não vem de agora; em 2020, o Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc) chegou a se manifestar sobre a preocupação com as vacâncias.

Assim, foi solicitada convocação, na época, de mais aprovados no concurso de 2016, mas o prazo de validade da seleção já havia encerrado.

Com isso, não era possível novas convocações da seleção e por estar em meio à pandemia da Covid-19 naquele ano, um novo edital também não foi publicado.

De acordo com o sindicato, era necessária a contratação de pessoal para os cargos de pesquisador, especialista, assistente técnico e assistente em Saúde Pública.

O novo presidente

Na Fiocruz desde 1994, Mario Moreira é doutor em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Paraná, com estágio doutoral na Universidade de Coimbra, em Portugal.

Além disso, é mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz) e em Gestão de Tecnologias e Inovação pela Universidade de Sussex, no Reino Unido.

Ele também é especialista em Gestão Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Em 2017, tornou-se vice-presidente de Gestão e Desenvolvimento Institucional da Fiocruz, cargo que passou a ser de diretor-executivo no ano passado.

Ele foi eleito em 24 de março pelos servidores públicos ativos da Fundação com 3.405 votos – 91,68% do total de 3.714 votos válidos.

Sem concurso, Fundação Oswaldo Cruz abriu 1.000 vagas em 2020

Mesmo um novo concurso não sendo publicado em 2020, um processo seletivo para vagas temporárias chegou a ser ofertado naquele ano para a Fiocruz.

Foram abertas 1.172 vagas celetistas, em cargos da área da Saúde, distribuídas por cargos dos níveis médio, técnico e superior.

Portanto, foram oportunidades ofertadas para auxiliar administrativo e técnicos de radiologia, em farmácia e em enfermagem, médicos (diversas áreas), enfermeiros (diversos), fisioterapeutas (rotina e plantonista), farmacêuticos, psicólogos, assistentes sociais, médicos do trabalho e nutricionistas.

Ademais, as vagas foram para atuação no Centro Hospitalar para a pandemia da Covid-19, no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), no Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF), no Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria e no Centro de Referência Professor Helio Fraga, da Escola Nacional de Saúde Pública, além da Coordenação de Saúde do Trabalhador da Fiocruz.

Não houve aplicação de provas, então, os candidatos passaram por uma análise curricular. Os salários variavam entre R$1.500 e R$5 mil.

Como foi o último edital da Fundação Oswaldo Cruz publicado em 2016?

Portanto, ofertando 119 vagas, o último edital aconteceu em 2016. As chamadas foram abertas em abril de 2019.

Foram 58 vagas foram para o cargo de Pesquisador e 61 para Técnicos; os cargos exigiam os níveis superior e médio, respectivamente.

Além disso, as lotações aconteceram no Rio de Janeiro, Ceará, Rondônia, Pernambuco, Paraná, Bahia, Amazonas, Minas Gerais e Piauí, além do Distrito Federal. 

Os salários, na época, eram de R$3.418,81, para o técnico, e de R$7.159,06, para os pesquisadores. Neste caso houve aplicação de provas objetivas.

A banca organizadora, na ocasião, foi a própria instituição . Houve provas em Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Recife e Manaus.

Assim, na avaliação foram cobradas questões de Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico e Conhecimentos Específicos.

Qual a importância da Fundação Oswaldo Cruz?

Com 123 anos de história, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), tem importância significativa na saúde pública, contruibuindo por meio de descobertas científicas, produção de vacinas e medicamentos, formação de profissionais para o SUS; desenvolvimento de pesquisa; fortalecimento do pensamento critico sobre a saúde e sociedade, dentre outros.

Clique aqui e conheça mais sobre a história da Fundação.

Saiba mais sobre o Concurso Fiocruz: Edital publicado. 300 vagas e até R$ 13,6 mil!

Notícias relacionadas

Acompanhe nossas

redes sociais