Pesquisar no blog

Concursos 2022: PL cria política de valorização das mulheres na segurança pública!

icone calendario 16 mar 2022

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que cria a Política Nacional de Valorização das Mulheres na Área de Segurança Pública, com diretrizes relacionadas à reserva de vagas em concursos públicos e aumento da licença-maternidade. A matéria será enviada ao Senado.

Estude para o concurso dos seus sonhos com a Assinatura Completa da Nova   . Tenha acesso a Cursos, Plataforma de Questões, Eventos Exclusivos para Assinantes e Muito Mais!

Concursos 2022: entenda o projeto e sua aprovação

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (15) o projeto de lei que cria a Política Nacional de Valorização das Mulheres na Área de Segurança Pública.

Assim, o projeto tem diretrizes relacionadas à reserva de vagas em concursos públicos e aumento da licença-maternidade.

Agora, a matéria, de autoria da deputada Tereza Nelma (PSDB-AL) e outras sete deputadas, será enviada ao Senado.

Além disso, o Projeto de Lei 1529/21 contou com parecer favorável da deputada Elcione Barbalho (MDB-PA), que apresentou emendas de redação pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

Assim, pela proposta, a política deverá se guiar por diretrizes como a reserva para as mulheres de, pelo menos, 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos na área de segurança pública.

Além disso, a promoção do aumento da licença-maternidade para, pelo menos, 180 dias e a promoção de equidade na ocupação dos cargos gerenciais.

Ademais, o texto determina que deverá haver publicidade e publicação expressa nos editais sobre essa reserva de vagas, além da realização de pesquisas, estudos e estatísticas sobre o perfil das servidoras e sobre a ocupação de cargos.

Além disso, deverá ocorrer ainda promoção de estratégia para enfrentamento ao assédio e à violência contra as mulheres no âmbito do ambiente de trabalho.

Fora isso, ainda a inclusão obrigatória, nos cursos de formação, de conteúdos relacionados à igualdade entre homens e mulheres com ênfase no ambiente organizacional.

Recursos condicionados

Ademais, o projeto também inclui a existência de um plano de valorização das mulheres na área de segurança pública no âmbito dos estados e dos municípios.

Isso para possibilitar o recebimento de recursos transferidos pela União por meio do Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP).

Portanto, a Lei 13.756/18 já condiciona esses repasses, no montante de 50% do obtido por meio de loterias, à existência de um plano de segurança e de aplicação dos recursos.

Além disso, a um conjunto de critérios para a promoção e a progressão funcional, por antiguidade e merecimento, de peritos, de policiais civis e militares e de integrantes dos corpos de bombeiros militares.

Debate em Plenário

Sendo assim, no debate da proposta em Plenário, a deputada Joenia Wapichana (Rede-RR) defendeu a cota de 20% para policiais femininas.

“É importante estabelecer 20% de vagas para mulheres, principalmente para execução de políticas públicas. Ainda é muito pouco o número de mulheres na área de segurança pública”, afirmou ela.

Por outro lado, o deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) criticou a cota e reclamou da possibilidade de oferecer licença-maternidade acima de 180 dias para policiais mulheres.

“Essas regras não são ideais e não deveriam ser exigidas para repasses do Fundo Nacional de Segurança Pública”, declarou.

assinatura completa
Acompanhe nossas

redes sociais