Pesquisar no blog

Investigação Social PC SP: O que pode te reprovar?

icone calendario 03 mar 2022

Nos concursos de carreiras policiais uma das etapas que causa muita dúvida nos concurseiro é a de Investigação Social, como no concurso PC SP . Neste artigo vamos esclarecer melhor os pontos que podem te reprovar.

Estude para o concurso dos seus sonhos com a Assinatura Completa da Nova   . Tenha acesso a Cursos, Plataforma de Questões, Eventos Exclusivos para Assinantes e Muito Mais!

O que é avaliado na Investigação Social?

A Investigação Social é uma etapa eliminatória, ou seja, o participante pode ser desclassificado, mesmo tendo excelentes resultados nos testes anteriores.

De maneira prática, a Investigação Social inicia quando o candidato preenche uma ficha com informações pessoais e profissionais. Este documento é sigiloso e não será exposto pela Administração Pública.

É importante ressaltar que essas informações devem ser honestas e transparentes. Caso haja qualquer sinal de omissão ou falseamento de dados, o participante é imediatamente desclassificado.

Posteriormente, o órgão responsável pelo certame irá iniciar de fato a Investigação Social.

Assim, geralmente, inicia-se com uma busca nos sistemas da Polícia Federal. Pois lá é possível verificar se o candidato possui antecedentes criminais.

Além disso, dependendo do órgão, a Polícia Federal (ou Militar) pode ir até o ambiente de trabalho e vizinhança do candidato para saber como ele se comporta com amigos, familiares e vizinhos.

Portanto, confira os aspectos, as informações a serem investigados:

  • pessoais;
  • residenciais;
  • familiares;
  • de cunho pessoal e familiar;
  • judiciais e policiais;
  • profissionais;
  • escolares;
  • econômicas;
  • de trânsito.

O que elimina o candidato na investigação social?

É difícil saber exatamente o que reprova na Investigação Social, no entanto, temos algumas situações que podem ser motivos de desclassificação do candidato. Por exemplo:

  • Omitir informações relevantes sobre a vida pregressa;
  • Falseamento de declaração;
  • Práticas que descumprem obrigações legítimas;
  • Cometimento recorrente de infrações de trânsito, as quais colocam em risco a vida de outras pessoas;
  • Uso de drogas ilícitas;
  • Prática habitual de jogo proibido;
  • Prática de ato tipificado como infração penal;
  • Demissão de cargo público ou destituição de cargo em comissão, no exercício da função pública, em qualquer órgão da administração direta e indireta, nas esferas federal, estadual, distrital e municipal, mesmo que com base em legislação especial;
  • Demissão por justa causa nos termos da legislação trabalhista;
  • Participação ou filiação em entidade ou organização cujo funcionamento seja legalmente proibido ou contrário às instituições constitucionais ou ao regime vigente.

Portanto, esses são alguns exemplos que podem ser avaliados na Investigação Social.

Porém, é importante ressaltar que, por ter caráter subjetivo, o candidato pode recorrer à justiça para contestar o resultado.

Quais concursos têm investigação social?

Geralmente os concursos que cobram essa etapa são os relacionados a área de segurança e que exigem do candidato conduta ética e vida pregressa, de certa forma, incontestável.

Como já citamos anteriormente são os concurso de Polícia Militar, Polícia Civil, Bombeiros, Exército, Ministério Público entre outras áreas como jurídicas.

Investigação social no concurso PC SP, como será?

Os candidatos aprovados na prova escrita do concurso PC SP, serão
submetidos à comprovação de idoneidade e conduta escorreita
mediante investigação social.

Assim, a etapa é de caráter unicamente eliminatório, no intuito de identificar condutas inadequadas e reprováveis do candidato, nos mais diversos aspectos da vida em sociedade, incompatíveis com o exercício da função de Investigador de Polícia.

Portanto, a comprovação de idoneidade e conduta escorreita mediante investigação social tem por objetivo a investigação sobre o comportamento ético, social e funcional dos candidatos. Assim, ela levará em consideração:

  • antecedentes profissionais;
  • desvio de personalidade;
  • relações sociais incompatíveis com o exercício da
  • função;
  • inadimplemento de obrigações contratuais;
  • prática de jogos de azar;
  • uso abusivo de bebida alcoólica;
  • uso de drogas ilícitas.

Já a pesquisa em banco de dados abrangerá:

  • antecedentes criminais, inclusive registro policial
  • nas condições de averiguado, autor ou indiciado, em qualquer unidade da Federação;
  • envolvimento, atual ou pretérito, em ocorrências de natureza policial;
  • propriedade de arma de fogo;
  • participação societária;
  • propriedade de veículo automotor e pontuação negativa no prontuário de condutor;
  • redes sociais.

Além disso, os atos relacionados a esta fase do concurso são de responsabilidade da Academia de Polícia.

Caso seja constatada qualquer circunstância ou informação que represente conduta inadequada para o ingresso na carreira de Investigador de Polícia, será fornecido relatório circunstanciado de tais impedimentos.

Assim, o relatório será enviado para apreciação da Comissão do Concurso, que decidirá sobre a permanência, ou não, do candidato.

Professores tiram dúvidas sobre a Investigações Sociais

Em live, os Professores e Policiais Roberto Fernandes e Thomas Ross abordaram o tema que gera muitas dúvidas e insegurança nos concurseiros: a Investigação Social.

Se você ainda quer saber e entender o que pode te REPROVAR na Investigação Social, assista essa live!

assinatura completa
Acompanhe nossas

redes sociais