Concurso Prefeitura de Santa Luzia – MG: Saiu o edital com 313 vagas!

Saiu o edital do novo concurso da Prefeitura de Santa Luzia, em Minas Gerais! São 313 vagas e formação de cadastro reserva para cargos de todos os níveis de escolaridade, com salários de até R$ 3,9 mil. Como fazer a inscrição no concurso Prefeitura de Santa Luzia - MG? Os interessados deverão acessar o site da banca organizadora, a ...

Status do concurso: Encerrado

Materiais disponíveis

Última Notícia

Concurso Prefeitura de Santa Luzia – MG: Inscrições serão encerradas hoje (15/10)!

Foi divulgado o edital do concurso Prefeitura de Santa Luzia - MG. Oportunidades para níveis fundamental, médio e superior, com salários de até R$ 6,2 mil!

Continuar Lendo

Saiu o edital do novo concurso da Prefeitura de Santa Luzia, em Minas Gerais! São 313 vagas e formação de cadastro reserva para cargos de todos os níveis de escolaridade, com salários de até R$ 3,9 mil.

Como fazer a inscrição no concurso Prefeitura de Santa Luzia – MG?

Os interessados deverão acessar o site da banca organizadora, a Fundep Gestão de Concursos, do dia 25 de setembro a dia 24 de outubro de 2019 para realizar a inscrição. A taxa tem o valor de R$ 60,00 para nível médio e R$ 80,00 para nível superior.

Quem pode fazer o concurso Prefeitura de Santa Luzia – MG?

As oportunidades são destinadas aos cargos de:

• Nível médio: Intérprete de Libras (8), Profissional de Apoio (200), Monitor de Creche (100);

• Nível superior: Fonoaudiólogo (3), Psicopedagogo (2).

Os salários variam de R$ 1.327,14 a R$ 3.970,38, em jornadas de trabalho de 24 a 40 horas semanais.

Quais são as atribuições dos cargos ofertados no concurso Santa Luzia MG?

Intérprete de Libras: O intérprete de Libras tem a função de ser o canal comunicativo entre o estudante surdo, o professor, colegas e equipe escolar. Seu papel em sala de aula é servir como tradutor entre pessoas que compartilham línguas e culturas diferentes. Essa atividade exige estratégias mentais na arte de transferir o conteúdo das explicações, questionamentos e dúvidas, viabilizando a participação do estudante em todos os contextos da aula e fora dela, nos espaços escolares. Quanto a sua postura, o intérprete deve se conscientizar de que ele não é o professor, e em situações pedagógicas não poderá resolver, limitando-se as funções comunicativas de sua área. Seu contato com os estudantes surdos não poderá ser maior que o do professor de sala. Efetuar comunicação entre surdos e ouvintes, surdos e surdos, surdos e surdoscegos, surdos-cegos e ouvintes, por meio da Líbras para a língua oral e vice-versa. Interpretar, em Língua Brasileira de Sinais – Língua Portuguesa, as atividades didáticopedagógicas e culturais desenvolvidas nas instituições de ensino, de forma a viabilizar o acesso aos conteúdos curriculares e ao processo de ensino aprendizagem dos estudantes; Atuar no apoio aos estudantes na acessibilidade e aos serviços e às atividades a fins das instituições de ensino e repartições públicas. Colaborar no planejamento e na execução de projetos que auxiliem o estudante na sua aprendizagem. Registrar as atividades desenvolvidas com o estudante diariamente e entregá-las à equipe pedagógica da escola para análise semanal. O Intérprete de Libras deve contribuir efetivamente para a valorização e respeito aos surdos, levando informações pertinentes ao professor regente e à escola, sobre essa diversidade. Deverá ainda, contribuir para o desenvolvimento e a consolidação da Inclusão escolar na Rede Municipal de Ensino de Santa Luzia. Deverá também executar atividades correlatas determinadas pela Gestão Escolar e pelos Técnicos da Secretaria Municipal de Educação de Santa Luzia/MG.

Profissional de Apoio: O profissional de apoio tem conexão direta com o trabalho escolar. Este Profissional deve auxiliar o estudante nos momentos de higiene, alimentação e locomoção. Além disso, ele deve atuar em todas as tarefas escolares que forem necessárias e em todas as modalidades e níveis de ensino. O profissional de apoio escolar não é um monitor ou um auxiliar do professor, portanto, sua função principal é facilitar a acessibilidade do estudante com deficiência. Cada profissional deve atender, no máximo, três crianças, de forma a facilitar a inserção delas na sala de aula da melhor maneira possível. A pessoa que vai exercer esse cargo precisa ter a sensibilidade mais aprimorada, porque é importante apresentar empatia e certa capacidade de convencimento. O Profissional de apoio deverá promover sempre a autonomia e independência do estudante, conforme suas possibilidades. Prestar auxílio individualizado aos estudantes que não realizam essas atividades com independência e apoiar o estudante nas atividades dentro e fora da sala de aula (recreio, alimentação, eventos, passeios, levar ao banheiro, trocar fralda, e acompanhar durante as aulas de Educação Física) quando necessário. Auxiliar o estudante na locomoção, recepção e saída, quando necessário. Colaborar no planejamento e na execução de projetos que auxiliem este estudante. Registrar as atividades desenvolvidas diariamente e entregá-las à equipe pedagógica para análise semanal e produzir material de apoio pedagógico com a orientação da equipe (supervisores, professores regentes e professor da Sala de Recursos). Deverá o profissional de apoio atuar de forma articulada com os professores da sala de aula comum, da Sala de Recursos Multifuncionais, entre outros profissionais no contexto da escola contribuindo para o desenvolvimento e a consolidação da Inclusão escolar na Rede Municipal de Ensino de Santa Luzia e executar atividades correlatas, sendo vedado interferir no planejamento do professor regente da turma/aula, devendo auxiliar na adaptação do conteúdo/atividades ao aluno atendido.

Monitor de Creche: Apoiar o Professor nas ações de cuidar e educar, procurando se espelhar em sua maneira de agir, falar e gesticular; auxiliar as crianças na higiene pessoal, sempre que necessário e nos horários estabelecidos pela coordenação da creche ou da Escola; Colaborar com o professor na hora do repouso, organizando os colchonetes, lençóis, travesseiros e fronhas, para maior conforto das crianças. Responsabilizar-se pelas crianças que aguardam os pais após o horário de saída da Unidade Municipal de Educação Infantil ou Escola, zelando pela sua segurança e bem-estar; Fazer a limpeza e desinfecção dos brinquedos e demais equipamentos de recreação; Oferecer e/ou administrar alimentação as crianças nos horários pré-estabelecidos, de acordo com o cardápio estipulado por faixa etária; Cuidar da higienização das crianças visando à saúde e bem estar; Estimular a participação das crianças nas atividades de grupo como jogos e brincadeiras, visando o desenvolvimento das mesmas; Fazer anotações nas agendas das crianças relatando os acontecimentos do dia para manter os responsáveis informados; Auxiliar nas atividades pedagógicas de acordo com a orientação da professora (or); Zelar e controlar os objetos e roupas individuais das crianças e das UMEIS ou das Escolas; Executar atividades correlatas e acompanhar o processo de adaptação dos estudantes novos na escola e dos que estão nas séries iniciais de um segmento, sobretudo no início das aulas; Analisar o grupo em diferentes contextos: como ele se organiza, os espaços que ocupa as brincadeiras e os jogos que privilegia no dia a dia; Observar os valores que circulam longe do olhar dos professores. Ater-se as orientações da Equipe Gestora da Unidade Municipal de Educação Infantil ou da Escola Municipal e não interferir nas ações dentro da sala de aula da professora, observando sempre as crianças, buscando preservar sua integridade física e mental. Evitar ocupar espaços que não são de sua responsabilidade, salvo a pedido da Gestão Escolar, sempre se referendando a mesma nas suas ações e atitudes. Não deixar o posto de trabalho sem comunicar a Gestão Escolar e buscar sempre observar o contexto escolar ao qual está inserido. Evitar intervir no cotidiano do professor regente responsável pela turma e do supervisor pedagógico, respeitando assim seus espaços.

Fonoaudiólogo: Desenvolver ações, em parceria com os educadores, que contribuam para a promoção, aprimoramento e prevenção de alterações dos aspectos relacionados à audição, linguagem (oral e escrita), motricidade oral e voz e que favoreçam e otimizem o processo de ensino e aprendizagem, o que poderá ser feito por meio de capacitação e assessoria, podendo ser realizadas por meio de esclarecimentos, palestras, orientação, estudo de casos entre outros; planejamento, desenvolvimento e execução de programas fonoaudiológicos; orientações quanto ao uso da linguagem, motricidade oral, audição e voz; observações e triagens fonoaudiológicas, com posterior devolutiva e orientação aos pais, professores e equipe técnica, sendo esta realizada como instrumento complementar e de auxílio para o levantamento e caracterização do perfil da comunidade escolar e acompanhamento da efetividade das ações realizadas e não como forma de captação de clientes; ações no ambiente que favoreçam as condições adequadas para o processo de ensino e aprendizagem; e contribuições na realização do planejamento e das práticas pedagógicas da instituição. Elaborando os relatórios para complementar diagnóstico. Desenvolver oficinas de linguagem, voz, audição e motricidade orofacial; Deverá também o fonoaudiólogo, organizar palestras, acompanhamento as escolas, aos profissionais das Salas de Recursos, orientar os professores sobre o uso adequado da voz, opinar quanto às possibilidades fonatórias e auditivas do indivíduo, dentre outras atividades.

Psicopedagogo: A Orientação psicopedagógica ao professor tem o objetivo de facilitar o desenvolvimento do estudante como prevenção, identificação e redução dos problemas educacionais dos diversos níveis de escolaridade. Deverá observar e entrevistar e fazer devolutivas a equipe gestora, devendo inclusive promover análise de caso, sem interferir no cotidiano e no planejamento dos Profissionais da Educação; deverá este profissional utilizar de metodologia clínica e pedagógica com um olhar que contribua no processo de ensino aprendizagem do estudante, sem interferir no trabalho do professor; Colaborar com a gestão escolar e os profissionais da educação na elaboração de diferentes projetos e reuniões, que os mesmos envolvam o atendimento ao estudante/professor/família e pro over encontros socializados entre o corpo docente, discente, coordenadores, corpo administrativo e de apoio aos dirigentes municipais. Criar estratégias para o exercício da autonomia, aqui entendida como cooperação e respeito mútuo. Estabelecer um vínculo psicopedagógico que possa contribuir no processo de ensino aprendizagem dos estudantes. Não poderá fazer avaliação psicopedagógica clínica individual dentro das instituições de ensino, porém, pode fazer sondagens e proceder a encaminhamentos para atendimento no CEAMEI; ter um olhar psicopedagógico no processo de aprendizagem. Para isso, poderá utilizar de avaliações e procedimentos que contribuam com o dia a dia dos professores. Avaliar e acompanhar os estudantes indicados pelos técnicos (psicólogos) de referência das escolas municipais com indicação para o serviço da psicopedagogia; elaborar matriz de observação, promovendo, quando necessário, atendimento individual e desenvolver planejamento intencional semanal. Orientar a equipe multidisciplinar sobre os procedimentos indicadores de desenvolvimento do estudante. dentre outras atividades.

Quais os requisitos básicos do concurso da Prefeitura de Santa Luzia – MG?

• Ser brasileiro nato, naturalizado ou cidadão português em condição de igualdade de direitos com os brasileiros; no caso de ser português, comprovar a condição de igualdade e gozo dos direitos políticos na forma do art. 12, § 1º da Constituição da República;

• Gozar dos direitos políticos;

• Estar quite com as obrigações eleitorais;

• Estar quite com as obrigações do Serviço Militar, quando se tratar de candidato do sexo masculino;

• Ter 18 anos de idade completos até a data da chamada para assumir o contrato temporário;

• Ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo, a ser aferida por médico, que irá lhe conceder, a suas expensas, atestado médico, que poderá ser analisado por médico perito da Rede médica do município de Santa Luzia, a qualquer tempo;

• Comprovar a escolaridade exigida para a contratação temporária, nos termos do Anexo I deste Edital;

• Não ter sido demitido, a bem do serviço público, nos últimos 5(cinco) anos, nos termos da Lei Nº 1.474/91, que Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Santa Luzia e art. 26 inciso IX, da Lei Municipal Nº 2.819/2008.

Como será a prova do concurso Prefeitura de Santa Maria – MG?

Os candidatos serão avaliados mediante provas objetivas, previstas para o dia 24 de novembro de 2019.

A estrutura das provas é a seguinte:

• Nível Médio (40 questões com peso 2,5): Língua Portuguesa (10), Conhecimento Educação Especial e Inclusa (10), Conhecimento Didático Pedagógico (10), Conhecimentos Específicos (10)

• Nível superior (50 questões com peso 2): Língua Portuguesa (10), Conhecimento Educação Especial e Inclusa (10), Conhecimento Didático Pedagógico (10), Conhecimentos Específicos (20).

Confira o conteúdo programático de Conhecimentos Básicos:

• Nível médio/superior incompleto

Língua Portuguesa: Compreensão e interpretação de textos. Organização dos gêneros textuais. Figuras de Linguagem. Articulação textual, coesão e coerência textual. Intertextualidade. Morfossintaxe. Verbos: Concordância verbal e nominal. Regência verbal e nominal. Crase. Estrutura da oração e do período: aspectos sintáticos e semânticos. Uso dos pronomes. Acentuação gráfica. Ortografia. Pontuação. Variação linguística.

Conhecimentos Educação Especial e Inclusiva: Estudos sobre Educação Especial e Educação Inclusiva. Aspectos legais da Educação Especial e sua repercussão na escola especial e regular. A discussão exclusão X segregação X integração X inclusão no âmbito educacional. Caracterização da sociedade inclusiva e aspectos político-pedagógicos da escola inclusiva. Caracterização do alunado público-alvo da educação especial na perspectiva da educação inclusiva e intervenções pedagógicas. O Atendimento Educacional Especializado e os demais serviços da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.

Conhecimentos Didáticos-Pedagógicos: As concepções de aprendizagem e as práticas pedagógicas. A função social da escola. Base Nacional Comum Curricular: as competências gerais. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Educação inclusiva. Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei n.º 13.146, de 6 de julho de 2015 – Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.

• Nível Superior

Língua Portuguesa: Compreensão e interpretação de textos. Gêneros e tipos de texto. Figuras de Linguagem. Articulação textual, coesão e coerência textual. Intertextualidade. Morfossintaxe. Verbos: flexão, conjugação, vozes, correlação entre tempos e modos verbais. Concordância verbal e nominal. Regência verbal e nominal. Crase. Colocação pronominal. Estrutura da oração e do período: aspectos sintáticos e semânticos. Acentuação gráfica. Ortografia. Pontuação. Variação linguística.

Conhecimento Educação Especial e Inclusiva: Estudos sobre Educação Especial e Educação Inclusiva. Aspectos legais da Educação Especial e sua repercussão na escola especial e regular. A discussão exclusão X segregação X integração X inclusão no âmbito educacional. Caracterização da sociedade inclusiva e aspectos político-pedagógicos da escola inclusiva. Caracterização do alunado público-alvo da educação especial na perspectiva da educação inclusiva e intervenções pedagógicas. O Atendimento Educacional Especializado e os demais serviços da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.

Conhecimentos Didáticos-Pedagógicos: As concepções de aprendizagem e as práticas pedagógicas.A prática educativa. Avaliação da aprendizagem. Base Nacional Comum Curricular: fundamentos pedagógicos, estrutura e as competências gerais.Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Direitos humanos. Educação inclusiva. Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei n.º 13.146, de 6 de julho de 2015 – Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.

Acompanhe nossas

redes sociais