Compartilhar:

Concurso SEC BA: Mais de 2,4 mil vagas para Professores!

Saiu o edital do novo concurso SEC BA (Secretaria da Educação do Estado da Bahia)! São 2.491 vagas para os cargos que contam com requisito de nível superior de escolaridade, com salários de R$ 1,7 mil. Como fazer a inscrição no concurso SEC BA? Os interessados deverão se inscrever das 9 horas do dia 18 de outubro até às 23h59min do ...

Status do concurso: Aberto

Materiais disponíveis

Edital disponível

Cadastre-se e Receba GRÁTIS!

Aulas com Técnicas para Organizar e Otimizar sua preparação!

Número de vagas 2491
Salário R$ 1.713,46
Data de inscrição 18/10/2019 a 04/11/2019
Escolaridade Nível Superior
Estado Bahia
Organizadora Uneb - Universidade do Estado da Bahia
Valor da inscrição R$ 100,00
Data da prova 08/12/2019
Edital Arquivos

Saiu o edital do novo concurso SEC BA (Secretaria da Educação do Estado da Bahia)! São 2.491 vagas para os cargos que contam com requisito de nível superior de escolaridade, com salários de R$ 1,7 mil.

Como fazer a inscrição no concurso SEC BA?

Os interessados deverão se inscrever das 9 horas do dia 18 de outubro até às 23h59min do dia 4 de novembro de 2019, por meio do site da banca organizadora, a UNEB – Universidade Estadual da Bahia. A taxa de inscrição tem o valor de R$ 100,00.

Quem pode fazer o concurso SEC BA?

As oportunidades são destinadas ao cargo de Professor Padrão P – Grau III nas áreas de:

  • Artes;
  • Biologia;
  • Educação Física;
  • Filosofia;
  • Física;
  • Geografia;
  • História;
  • Língua Inglesa;
  • Língua Portuguesa;
  • Matemática;
  • Química;
  • Sociologia.

Os salários são de R$ 1.713,46, composto de vencimento básico no valor de R$ 1.306,19 mais Gratificação de Estímulo às Atividades de Classe, no valor de R$ 407,27, em jornadas de trabalho de 20 horas semanais.

O que faz um Professor da SEC BA?

  • Participar da elaboração da Proposta Pedagógica e do Plano de Desenvolvimento do estabelecimento de ensino;
  • Elaborar e cumprir plano de trabalho e de aula, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;
  • Zelar pela aprendizagem dos alunos;
  • Estabelecer estratégias de aprendizagem e de recuperação para os alunos de menor rendimento;
  • Ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;
  • Colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidades;
  • Atuar em projetos pedagógicos especiais, desenvolvidos e aprovados pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia;
  • Exercer outras atribuições correlatas e afins.

Quais os requisitos básicos do concurso SEC BA?

  • Ser brasileiro nato, naturalizado ou ter nacionalidade portuguesa amparada pelo estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses, com reconhecimento do gozo dos direitos políticos, nos termos do § 1º do artigo 12 da Constituição Federal;
  • Ter idade mínima de 18 (dezoito) anos;
  • Estar em pleno gozo e exercício dos direitos políticos;
  • Ser eleitor e estar em dia com as obrigações eleitorais;
  • Estar em dia com os deveres do Serviço Militar obrigatório para os candidatos do sexo masculino;
  • Ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições da função temporária de Professor Padrão P – Grau II;
  • Possuir idoneidade moral, comprovada pela inexistência de antecedentes criminais, atestados por certidões negativas expedidas por órgãos policiais e judiciais, estaduais e federais;
  • Não ter perdido cargo eletivo de governador e de vice-governador do Estado e o de prefeito e de vice-prefeito, por infringência ao dispositivo da Constituição Estadual ou da Lei Orgânica do Município, nos últimos oito anos;
  • Não ter contra si representação julgada procedente pela justiça eleitoral em decisão transitada em julgado, em processo de apuração de abuso de poder econômico ou político nos últimos oito anos;
  • Não ter contra si decisão condenatória transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a condenação até o transcurso do prazo de oito anos após o cumprimento da pena pelos crimes
    • contra a economia popular, a fé pública, a administração pública e o patrimônio público;
    • contra o patrimônio privado, o sistema financeiro, o mercado de capitais e os previstos na lei que regula a falência;
    • contra o meio ambiente e a saúde pública;
    • eleitorais, para os quais a lei comine pena privativa de liberdade;
    • de abuso de autoridade, nos casos em que houver condenação a perda do cargo ou a inabilitação para o exercício da função pública;
    • de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores;
    • de tráfico de entorpecentes e drogas afins, racismo, tortura, terrorismo e hediondos;
    • de redução à condição análoga a de escravo;
    • contra a vida e a dignidade sexual e, praticados por organização criminosa, quadrilha ou bando.
  • Não ter contra si decretação da suspensão dos direitos políticos, em decisão transitada em julgado ou por órgão judicial colegiado, por ato doloso e de improbidade administrativa que importe lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, desde a condenação ou o trânsito em julgado até o transcurso do prazo de 08 (oito) anos após o cumprimento da pena;
  • Não ter sido excluído do exercício da profissão, por decisão sancionatória do órgão profissional competente, em decorrência de infração ético-profissional, pelo prazo de oito anos, salvo se o ato houver sido anulado ou suspenso pelo Poder Judiciário;
  • Não ter sido demitido do serviço público em decorrência de processo administrativo ou judicial, pelo prazo de oito anos, contados da decisão, salvo se o ato houver sido suspenso ou anulado pelo Poder Judiciário;
  • No caso de Magistrado e de membro do Ministério Público, que não tenha sido aposentado compulsoriamente por decisão sancionatória, que não tenha perdido o cargo por sentença ou que não tenha pedido exoneração ou aposentadoria voluntária na pendência de processo administrativo disciplinar, pelo prazo de oito anos;
  • Ter sido selecionado conforme o estabelecido neste Edital;
  • Apresentar os documentos comprobatórios da escolaridade e pré-requisitos constantes no Edital;
  • Cumprir as determinações do Edital.

Como será a prova do concurso SEC BA?

Nova-SME-RJ

Os candidatos serão avaliados por meio de provas objetivas, previstas para serem realizadas no dia 8 de dezembro de 2019.

A estrutura da prova é a seguinte:

  • Conhecimentos Gerais (20 questões): Língua Portuguesa, Educação Brasileira – Temas Educacionais e Pedagógicos, Noções de Igualdade Racial e de Gênero, Conhecimentos Interdisciplinares);
  • Conhecimentos Específicos (30 questões).

Confira o conteúdo programático:

  • Língua Portuguesa: Leitura e atribuição de sentidos de textos verbais e não verbais extraídos de livros, periódicos contemporâneos em meios impressos e eletrônicos. Textos mistos: verbais e não verbais inclusive imagéticos. Semântica e o sentido das palavras: relação entre significantes (sinais, símbolos, palavras e frases). Pontuação e seus recursos sintático-semânticos.
  • Educação Brasileira – Temas Educacionais e Pedagógicos: As diferentes correntes do pensamento pedagógico brasileiro e as implicações na organização do sistema de educação brasileiro. A didática e o processo de ensino/aprendizagem: planejamento, estratégias, metodologias e avaliação da aprendizagem. A sala de aula como espaço de aprendizagem. As teorias do currículo. A s contribuições da psicologia da educação para a pedagogia: implicações para a melhoria do ensino e para ações mais embasadas da ação profissional docente no alcance do que se ensina aos indivíduos. Os conhecimentos socioemocionais no currículo escolar: a escola como espaço social. As diretrizes curriculares nacionais para a formação docente. Aspectos legais e políticos da organização da educação brasileira. Políticas educacionais para a educação básica: as diretrizes curriculares nacionais. (etapas e modalidades). A Interdisciplinaridade e a contextualização no Ensino Médio. Os fundamentos de uma escola inclusiva. Educação e trabalho: o trabalho como princípio educativo. Convenção da ONU sobre direitos das pessoas com deficiência. Educação para as relações étnico-raciais Decreto nº. 65.810, de 8 de dezembro de 1969 (promulga a Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial). O Decreto federal nº 4.738, de 12 de junho de 2003 (reitera a Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial). Ação da escola, protagonismo juvenil e cidadania. A Lei estadual nº 13.559, de 11 de maio de 2016: o Plano Estadual de Educação 19. O paradigma da supra legalidade como norma constitucional para os tratados dos direitos humanos. As avaliações nacionais da educação básica. As licenciaturas interdisciplinares como paradigma atual da formação docente (menção no art. 24 da Resolução CNE/CP nº. 2, de 1º de julho de 2015). Legislação educacional: a) Constituição Federal de 1988 (Artigo n° 205 ao n° 214); b) LDB, atualizada até 30 de setembro de 2017 – Lei federal nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 a Lei federal nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017; c) Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990; Estatuto do Magistério Público do Ensino Fundamental e Médio do Estado da Bahia – Lei estadual nº 8.261, de 29 de maio de 2002.
  • Noções de Igualdade e de Gênero: Constituição da República Federativa do Brasil (art. 1°, 3°, 4° e 5°). Constituição do Estado da Bahia, (Cap. XXIII “Do Negro”). Lei federal n° 12.288, de 20 de julho de 2010 (Estatuto da Igualdade Racial). Lei federal nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989 (Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor) e Lei federal n° 9.459, de 13 de maio de 1997 (Tipificação dos crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor). Decreto federal n° 65.810, de 08 de dezembro de 1969 (Convenção internacional sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial). Decreto federal n° 4.377, de 13 de setembro de 2002 (Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher). Lei federal nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha). Código Penal Brasileiro (art. 140). Lei federal n° 9.455, de 7 de abril de 1997 (Crime de Tortura). Lei federal n° 2.889, de 1º de outubro de 1956 (Define e pune o Crime de Genocídio). Lei federal nº 7.437, de 20 de dezembro de 1985 (Lei Caó). Lei estadual n° 10.549, de 28 de dezembro de 2006 (Secretaria de Promoção da Igualdade Racial); alterada pela Lei estadual n° 12.212, de 04 de maio de 2011. Lei federal nº 10.678, de 23 de maio de 2003, com as alterações da Lei federal nº 13.341, de 29 de setembro de 2016 (Referente à Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República).
  • Conhecimentos Interdisciplinares: Linguagem, texto e contexto nos signos verbais e não-verbais. A intermediação entre linguagem verbal e não verbal no processo de constituição do texto/discurso. A linguagem das ciências e das artes e seu entendimento como chaves à compreensão do mundo e da sociedade. A linguagem das ciências humanas no processo de formação das dimensões estéticas, éticas e políticas do atributo exclusivo do ser humano. A linguagem das ciências e das artes e as implicações ao pensar filosófico, a partir do Renascimento. As linguagens das ciências, das artes e da matemática: sua conexão com a compreensão/interpretação de fenômenos nas diferentes áreas das relações humanas com a natureza e com a vida social. As linguagens das ciências e das artes e sua relação com a comunicação humana. O significado social e cultural das linguagens das artes e das ciências – naturais e humanas – e suas tecnologias. As linguagens como instrumentos de produção de sentido e, ainda, de acesso ao próprio conhecimento, sua organização e sistematização.
Acompanhe nossas

redes sociais